sábado, 11 de junho de 2011

O Último Adeus de Mentiras

Quando a noite for embora;

o sol raiar: eis a eterna fonte.

Quando o sol vem e, a noite vai;

ser... O ser humano de força e mente.

O sorriso nos lábios, o amor no peito;

a solidão dos dias,

a sombra perdida ...



A mente vaga à tua procura;

dos amantes do dia,

à separação dos amores da noite.

Pois que seja então...

Não digas a morte que fui.

Aguarda e guarde-te, pois

voltarei um dia!

Quem sabe...

(...) "Eu".

Estas foram as últimas frases que ele escreveu antes de partir... Não sei como me sinto e nem como me senti... Dor por algo que verdadeiramente nunca existiu... Dor por uma grande mentira! Talvez o deixe simplesmente em algum lugar do passado inerte, ao qual não valorizo e nem tão pouco sinto amor ou consideração... Simplesmente algo que aconteceu!
Veja como tudo é tão irônico... Hoje eu agradeço por você não estar mais aqui entre os seres humanos! Agradeço, pois assim ninguém mais será enganado por seus jogos baratos com os sentimentos alheios.
Siga seu caminho e espero que encontre a luz... Deixe aqueles que nada te fizeram em paz! Não volte! 
Estou liberta, eu nada sinto... Estar assim é uma das melhores sensações que já senti nos últimos anos! Sim, liberdade... Liberdade de todas as suas mentiras...Livre... Eu já apaguei teu nome... Sou livre! Nunca foi amor! Só hipocrisia, posse doentia! E hoje eu sou livre... Gritarei eternamente essa palavra, LIVRE! Adeus.
 
15/04/1973 - 12/06/2005 
Ao som de:

Um comentário:

todasasminhaspalavras disse...

Nossa Alê, muito bom, adorei!
Parabéns, ótimo texto!