terça-feira, 3 de novembro de 2009

Entre o Sonho e o Despertar


Já é tarde, ou quase dia, sinceramente não sei! Perdida cá estou em meio às alucinações que restaram daquele meu funesto término... Parece ópio. Quase um dilúvio onde as águas inundaram este meu ser que há tempos esperava por algo que mudasse a triste realidade, e por mais pavoroso que tenha sido o gelo daquela tormenta, existia ali algo que aquecia a minha mente entediada que oscilava entre o ócio e o criativo!
Poesia? Lembranças de solidão, sufocantes lágrimas nas madrugadas, e não havia nada e nem ninguém para apreciar a minha dor naquela noite insana, somente minha paciência soube escutar aquilo que há muito gritava ao universo, ela me consolou muito mais do que um porre destrutivo com os amigos, estes hipócritas que tantas vezes me derrubaram por puro e simples hedonismo... Eles existem? Nada além de mim existe...Tudo ao meu redor é a grande ilusão maquiada e bem vestida... Sempre quiseram me impor limites morais para aquilo que nunca entendi, pessoas, família, amor ...Não faço questão de compreendê-los. Somente quero viver explosivamente. Isso eu quero que entendam.
Eu quero expressar esta bela angústia que constrói cada partícula deste meu corpo já surrado pela hostilidade alheia...
Que seja num salto, num grito, numa apaixonante valsa de despedida... Numa noite de amor com algum ser deste reino de sombras que criei ao meu redor... Quero sentir o prazer divino no toque de uma forte mão masculina que me faça perder o rumo em seu infinito... Doces lábios percorrendo o caminho de minha luxúria, sentindo meu cheiro e meu sabor, intensamente, sem nenhum pudor...
Estou dormindo? É estranho....
Desejo uma noite somente com este nobre ser, e quem sabe ele então desperte em mim novamente, sentidos há tanto já adormecidos... Quero ser fatalmente atingida por um singular e constante olhar dizendo palavras mudas bem mais compreensivas que dizeres comuns, pois este ser que agora habita em minhas longas noites de quimera, me envolve com o simples acariciar silencioso de sua existência...
Se ele de fato está presente eu já não sei, minha imaginação anda mesmo tão sensível à esta realidade...Pode ser mais um de meus devaneios tolos, que seja, eu quero continuar voando com toda a profundidade de minha alma, de modo que todo o suspiro causado nesta indescritível viagem, seja de prazer gritante, jamais visto ou vivido por nenhum humano!
... - Ei; você é real? ... Vem aqui, liberte seu furor lascivo em mim ... Por onde você andou durante estas centenas de anos? Delire aqui, neste meu mundo sublime e perverso, não vá embora fique mais, aceite minha proposta; segure em minhas mãos e não diga nada, consegue ver e sentir esta imensidão? ... Vem, não tenha medo... Voe agora comigo!!!

(...) Não quero voltar...Realmente estou só? Sou apenas mais um anjo caído, humanamente dito? Tudo é só ... Fantasia.



¨¨¨¨Não deixe de conferir¨¨¨¨

Ao som de Léon Minkus- Labayadere-Kingdom of Shadows-Adágio

4 comentários:

Montani II disse...

Oi Lê

Passei para te agradecer pela visita e comentário em meu blog e deixar minhas congratulações pelo blog, está lindo e você escreve divinamente, uma leitura prazeirosa.
estou te seguindo, bjs

Mademoiselle S disse...

não fui a única que mudei, seu blog tbm tá todo diferente. tá mais bonito, gosto mais do azul.

sobre seu texto, estive me sentindo assim há poucos meses e certos trechos parecem até que foram sentidos por mim. mas já me libertei desse bode e não vou mais falar sobre ele. afinal, parodiando Sivuca, bode bom é bode morto.

bjs

josue mendonca disse...

quanta poesia nessas palavras hein...
tava inspirada!

obrigado pela visita

um abraço

Delba C. disse...

Nossa LE, primeiramente quero dizer que voce escreve muiiiito bem. Aonde voce tira tanto talento e inspiracao ?
Estava lendo alguns dos seus posts, sao realmente lindos, e profundos. Continue assim e sucesso com o blog !

Beijos :D